(Imagem retirada do site Pixabay)

O tráfico de animais silvestres é a terceira atividade criminosa mais praticada no mundo, segundo o Relatório Nacional sobre o Tráfico de Fauna Silvestre – RENCTAS. O Brasil, por sua ampla variedade de animais compondo a fauna, é a principal área de captura e comércio ilegal. 

(Imagem retirada do site https://g1.globo.com/)

A descoberta de algum cativeiro de criação de animais silvestres é algo que ocorre com certa frequência. Infelizmente, muitas pessoas não têm consciência de que isso pode prejudicar o ecossistema e os próprios animais, por serem retirados de seu habitat natural. Ainda que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) aprove a criação de alguns animais, se caso forem seguidas algumas recomendações, tal feito continua afetando o comportamento do animal, reagindo de forma agressiva ou depressiva, muitas vezes.

(Imagem retirada do site Pixabay)

A professora Anabela Pinto, de ética e bem estar animal da Universidade de Cambridge, na Inglaterra,apontou a comparação da criação de cães e gatos com animais recém retirados da natureza, indicando que o primeiro grupo passou por um longo processo de domesticação. Muitas doenças também podem ser transmitidas por animais silvestres se não vacinados constantemente, como raiva, toxoplasmose, conjuntivite, entre outras. 

O animal, se mantido em cativeiro também fica incapaz de buscar por seu alimento ou se defender de predadores. Muitas pessoas por não darem conta de todos os cuidados necessários os levam a zoológicos ou os libertam. Essa libertação, mesmo que em um lugar adequado, faz com que eles dificilmente sobrevivam, por terem sido criados de forma não natural. 

(Imagem retirada do site Freepik)

Dos animais traficados, de cada dez, nove morrem antes do destino final, segundo dados do RENCTAS. A criação ou tráfico de animais silvestres contribuem também para o aumento de espécies ameaçadas de extinção, que no Brasil, totalizam 218 sendo 7 delas são consideradas extintas por não terem sido encontrados registros há mais de 50 anos.

(Imagem retirada do site Pixabay)

Para isso, o mais adequado é deixar esses animais livres na natureza, contribuindo assim com todo o ecossistema.

(Visited 294 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *